sexta-feira, 22 de maio de 2009

Sobre progressões e regressões...


Quando aprendi a ler, aos 5 anos, os parentes e amigos da família me encheram de livros, a maioria de contos de fadas (exceção feita a meus pais, que me davam revistinhas da Mônica e à minha linda professora da escolinha, que me deu e emprestou livros sobre peripécias de crianças)...

Sendo tão bombardeada assim com as histórias de Cinderela, Branca de Neve, Rapunzel, entre outras, não pude escapar incólume às fantasias românticas de menina sonhadora, que acreditava em príncipes encantados e finais felizes...

A crença nos príncipes acabou bem rapidinho, logo no início da adolescência, quando descobri que essa história de sapo virar príncipe costuma acontecer bem ao contrário... E que, muitas vezes, sapinhos que não têm a menor pretensão de virar príncipes e que se mostram sinceramente desde o início como realmente são podem ser ótimos companheiros!

Já a certeza de que o “felizes para sempre” poderia ser mesmo real, demorou bem mais para acabar...

Quando, um dia, alguém me disse que “os relacionamentos progridem ou regridem, isso depende do encaminhamento que se dá a eles. Isso é real, às vezes na convivência descobrimos muitas afinidades e às vezes percebemos que elas não existem em determinadas relações, essas questões muitas vezes ou quase sempre dizem para onde vai a relação”, me assustei e discordei no primeiro momento.

Como assim?

Como um relacionamento em que as duas pessoas se amavam poderia regredir? Isso não combinava com tudo o que eu havia pensado a vida inteira sobre o “amor eterno”, sobre a “força do amor”...

Sempre achei que os relacionamentos só poderiam progredir. Claro, os relacionamentos onde houvesse amor. E, se um dia os sentimentos mudassem era porque, na verdade, eles nunca foram verdadeiros de fato...

Hoje entendo que estava errada... relacionamentos regridem sim, e isso acontece mesmo que os sentimentos sejam sinceros... Acontece quando o outro não corresponde às nossas expectativas...

A regressão tem um fim, felizmente. O relacionamento vai minguando, pouco a pouco, assim como o sentimento que você nutre pela pessoa. Quando você se decepciona... Quando você percebe que sonhou sozinha, que fez planos sozinha... Quando você descobre que só tinha olhos para o outro, enquanto ele tinha olhos para qualquer uma, menos para você... Quando você se dá conta que as palavras de amor que ele lhe dizia eram as mesmas que dizia a tantas outras, e ao mesmo tempo... Quando vc acorda. Você sofre, chora, se descabela, parece mesmo que aquele sofrimento nunca vai terminar. Mas termina. Um dia você acorda e aquela pessoa não tem mais a mesma importância na sua vida. E toda aquele choro e sofrimento transformam-se em alívio. Talvez um pouco de saudade. Transforma-se em esperança. Em mudança. Mas não mais em dor.

Já a progressão pode ser infinita. Não há limites. A cada dia vai ficando mais gostoso estar ao lado daquela pessoa. E o sentimento que você tem por ela também vai crescendo. É a progressão, no relacionamento e nos sentimentos. Ela ocorre quando você percebe que, afinal, nem todos são iguais. Quando você descobre que existe alguém que é capaz de te amar de verdade. Quando você sente que pode amar de novo. E que pode ser feliz, porque você quer e merece a felicidade. Ocorre sempre que o outro faz questão de demonstrar o quanto você é importante e especial na vida dele. E única. Isso é primordial. Você não é mais uma. Você é essencial.

Hélia

5 comentários:

Anônimo disse...

Adoro seus textos. Já pensou em escrever um livro? Pois deveria. Beijos e muito carinho para vc.

Anônimo disse...

Entendo isso muito bem. Quem é que nunca passou por isso? Palavras de amor jogadas ao vento... Bjs

Anônimo disse...

Gostei muito, Helinha. Muito profundo. Beijo grande pra ti.

Pelos caminhos da vida. disse...

Gostei,vc escreve mutio bem.

Fim de semana iluminado.

beijooo.

Mari disse...

Isso é fato! Eu nunca fui muito iludida, em acreditar em amor eterno, sempre olho o lado negativo, deve ser por isso... Deve ser por causa do meu histórico... rsrs...
Enfim, tomara que o meu só progrida! Aliás, o meu amor por você, né tia?! Ele só aumenta! hehe... Sinto honrada por ser sua sobrinha todos os dias! :)
Te amo!